Portuguesa não vencia por três gols de diferença há quase dois anos

Fonte: Futebol Interior

No último sábado, a Portuguesa recebeu o Bangu no Canindé, pela quinta rodada da Série D do Campeonato Brasileiro, e conquistou uma vitória por 3 a 0. O resultado foi atípico, não apenas por ter sido a primeira vitória da Lusa na competição, mas também porque o tradicional time paulistano não vencia por mais de dois gols de diferença há quase dois anos.

A última vitória por três gols de vantagem foi em 18 de julho de 2015, quando a Lusa aplicou 3 a 0 no Caxias, também no Canindé, pela oitava rodada da Série C.

Jonathan, Anderson Luiz e Guilherme Queiroz marcaram os gols daquela partida. O primeiro está disputando o Brasileirão pelo Atlético-GO, o segundo defende o Boavista-RJ, e o terceiro passou por Figueirense, Paraná, São Bento e está de volta à Portuguesa, mas ainda não fez sua reestreia.

É provável que Guilherme Queiroz jogue na próxima rodada, quando a Lusa visita a Desportiva Ferroviária e garante a classificação com uma vitória. Mesmo o empate pode ser suficiente, mas nesse caso o Bangu teria que perder do Villa Nova e os paulistas ainda dependeriam de resultados de outros grupos para terminarem a primeira fase como um dos melhores segundos colocados.

Fonte: Futebol Interior

Jogador é preso durante treino da Lusa acusado de explosão a bancos

Fonte: Globo Esporte.com

A Polícia Civil da Paraíba realizou nesta sexta-feira uma operação para prender uma quadrilha acusada de explosões a caixa eletrônicos, assalto e tráfico de drogas. Foram cumpridos dez mandados de prisão, e entre os presos está o lateral-direiro Fabiano Buchecha, que jogou pelo Treze durante o Campeonato Paraibano deste ano. O atleta é de Campina Grande, mas foi detido em São Paulo, durante um treino da Portuguesa.

Segundo o delegado Cristiano Santana, o jogador atuava como “olheiro”, a pessoa que identifica eventuais alvos, estuda o cotidiano do local e repassa para a quadrilha executar o roubo.

Fabiano Buchecha seria o “olheiro” da quadrilha, identificando eventuais alvos, estudando o cotidiano do local e repassando informações para a quadrilha executar o roubo (Foto: Reprodução / TV Paraíba)

Fabiano Buchecha e Marcelinho Paraíba são muito amigos. Os dois são bem próximos um do outro. E foi Marcelinho quem levou Fabiano para a Lusa. O caso, inclusive, gerou certa confusão na Central de Polícia. Porque a informação explicava que tratava-se de um jogador paraibano que jogava no Treze e que agora estava na Portuguesa, que é o mesmo caso de Marcelinho.

Para completar, a mãe e a esposa de Marcelinho Paraíba foram à Central de Polícia e choraram no local. O advogado do meia, Afonso Vilar, também foi chamado. Tudo isso gerou a suspeita de que Marcelinho Paraíba seria o alvo. Mas, depois, tudo foi esclarecido.

– Marcelinho e Fabiano são só amigos. Mas Marcelinho não tem nada a ver com a operação – disse o advogado, que deve ficar responsável pela defesa de Fabiano.

Marcelinho Paraíba e Fabiano Buchecha são de fato muito próximos. E trabalharam juntos no Galo durante o vice-campeonato estadual deste ano. O meia, contudo, era titular. Enquanto que o lateral-direito era apenas o terceiro nome de sua posição. Chegou a ser relacionado para três jogos do Paraibano, mas não entrou em campo em nenhuma das vezes.

Cristiano Santana, delegado da Polícia Civil, que está à frente do caso (Foto: Reprodução / TV Paraíba)

Fonte: Globo Esporte.com