Jogador acusa Sindicato de Atletas de erro e perde a chance de cobrar Lusa na Justiça por salários atrasados; órgão nega e rebate

Fonte: ESPN

Criado para defender os interesses dos jogadores, o Sindicato dos Atletas Profissionais de São Paulo (Sapesp) é alvo de questionamentos justamente de um jogador, que vê falha do órgão nessa missão. Yago Leite dos Santos acusa a entidade de ter errado, fazendo com que um processo de cobrança de salários atrasados contra a Portuguesa prescrevesse e fosse extinto pela Justiça.

Yago relatou ao ESPN.com.br que procurou o Sindicato em junho de 2015 e foi recebido pelo advogado Guilherme Martorelli, representante jurídico do órgão e filho do presidente da entidade, Rinaldo Martorelli. Afirmou ter acertado uma procuração com ele para cobrar a Lusa, clube que defendeu entre 2013 e 2014.

“Toda a documentação pedida foi entregue: como contrato, TRCT [Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho], carteira de trabalho… Passou 2015, entramos em 2016 e só em novembro o advogado do Sindicato me falou algo a respeito. O Sindicato demorou um ano e seis meses para entrar com uma ação na Justiça. Fui em uma audiência em fevereiro deste ano e depois da audiência veio a sentença. Foi quando soube da prescrição”, disse Yago.

Ainda segundo o jogador, o órgão não o informou da sentença final.

“O doutor Guilherme Martorelli não me falou o resultado. Ele mandou a sentença? Sim, ele mandou. Mas eu não tenho qualificações técnicas para ler um contrato desse tipo. Ele não me explicou claramente. Ninguém no Sindicato me falou que o prazo foi prescrito. Eu levei para outro advogado, que me explicou.”

Yago lamentou todo o episódio e disse à reportagem que estuda o que poderá fazer. Em abril, ele encaminhou ao órgão uma carta expondo todo seu descontentamento e cobrando ressarcimento.

“Infelizmente perdi todos os meus direitos, pois o juiz, ao decidir a causa, reconheceu a prescrição e extinguiu o processo. Tudo motivado pelo simples fato que meu processo foi colocado em juízo após os dois anos de término do contrato.”

“A causa foi dado o valor de R$ 37.626,69. Perdi todos meus direitos, 11 meses de salário, e todas as verbas contratuais por inércia do Sindicato de Atletas, e, o mínimo que esta entidade pode fazer é me ressarcir dessas perdas no montante e valor que deu a ação”, escreveu em outro trecho.

O jogador também criticou o advogado da entidade e pediu o afastamento dele.

“Peço gentilmente que essa entidade revise os atos do advogado, e afaste o Guilherme Martorelli da função de chefe do Jurídico, para que outros atletas não sejam prejudicados como eu fui”, escreveu Yago.

O OUTRO LADO

A reportagem entrou em contato com o Sindicato, que apresentou outra versão para o ocorrido, citando ainda um segundo caso em que defendeu Yago.

Em um documento de três páginas, o órgão respondeu que Yago os procurou há dois anos para buscar rever seus direitos junto a dois clubes, a Portuguesa e o Batatais, onde jogou em 2015.

Sobre o processo contra a Portuguesa, o Sindicato afirma que “o atleta não apresentou a documentação pertinente, qual seja: Contrato Especial de Trabalho Desportivo e Rescisão Contratual – Pedido de Demissão do Atleta. Por conta da ausência dos documentos pertinentes o Sindicato continuou aguardando a entrega da complementação de documentos e, nesse ínterim, manteve contato com o atleta, aguardando receber a documentação para distribuir o processo.”

“Em outubro de 2016, o atleta informou ao Sindicato que apesar das tentativas, não tinha obtido êxito em reunir a documentação necessária e solicitou ao jurídico do Sindicato que distribuísse o processo mesmo sem ter prova das suas alegações”, esclareceu em outro trecho da resposta.

A entidade alegou que conseguiu distribuir o processo em 2 de novembro de 2016, tendo como referência “o único documento pertinente ao Contrato de Trabalho do atleta que o jurídico do Sindicato tinha obtido informalmente, que, ressalte-se, é de posse exclusiva da CBF (Extrato Desportivo do Atleta) que comprovava que a rescisão contratual junto a Portuguesa tinha se encerrado em 01/12/2014 (logo, o prazo prescricional somente se encerraria em 02/12/2016).”

O órgão alega nesse momento ter se deparado com um documento com data alterada, o que prejudicou o caso.

“Porém, ao longo do processo, a Portuguesa, juntou um Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho (TRCT) diferente o fornecido pelo atleta cuja data da rescisão contratual seria 15/10/2014. No entanto, esse documento não foi validado pelo Sindicato e sequer foi assinado pelo atleta. Nesse sentido, contrariando as provas dos autos, a Justiça do Trabalho reputou o teor do TRCT juntado pela Portuguesa como válido, mesmo com todas as irregularidades aparentes ignorando por completo o documento juntado pelo Sindicato, fornecido pelo atleta, que comprovava que o processo não estaria prescrito.”

Diante da decisão da Justiça em extinguir a ação, o órgão informou à reportagem que não desistiu da causa.

“O Sindicato, mesmo discordando da postura adotada pela Justiça do Trabalho, ainda buscou alternativas para comprovar o direito do atleta, solicitando, mais uma vez, que o atleta buscasse meios para se obter a cópia da sua rescisão contratual. O atleta, agora decepcionado com o resultado, tomou a providência que deveria ter sido tomada desde o início do processo e obteve, junto a Federação Paulista de Futebol a via de sua Rescisão”.

“O processo já foi recebido pelo Tribunal Regional do Trabalho (“TRT”) e aguarda neste momento julgamento”, finalizou o Sindicato.

A entidade ainda respondeu questões encaminhadas pela reportagem, reforçando as explicações que deu acima. Isto é, nega ter cometido erro neste caso e defendeu-se alegando não ter recebido de Yago os documentos necessários para o ingresso da ação.

Em sua explicação, o Sindicato também informou que no processo contra o Batatais auxiliou Yago e ambos obtiveram vitória na Justiça

DESILUSÃO COM FUTEBOL

Yago passou pelo Batatais e pelo São José após deixar a Portuguesa, em 2014. Hoje, com 22 anos, desistiu do futebol.

“Eu fiquei desiludido por situação semelhante no que diz respeito a atraso de salário. Investidores chegam em um clube do interior de São Paulo prometendo mundos e fundos quando na verdade não tem nenhum planejamento de trabalho. Vai tudo por água abaixo tão rápido que não dá tempo nem de jogar um campeonato. Muitas vezes jogador não recebe, não se alimenta bem. Então, são situações que não quero para mim”, disse.

Natural da Bahia, Yago deixou a terra natal com 13 anos. Primeiro ficou oito meses no Icasa-CE. Depois mudou-se para São Paulo. “Vim com a ideia de ser jogador de futebol. Fiz um teste na Portuguesa e passei. Comecei em 2008, na base”.

Distante dos gramados, Yago trabalha atualmente em uma loja de roupas como fiscal e está fazendo curso técnico de segurança e medicina do trabalho.

Tão desiludido com o futebol, ele não soube responder se gostaria de ter uma nova chance de jogar.

“É difícil. Estudo, trabalho… Difícil dizer”.

Fonte: ESPN

Alexandre Barros: contribuí para que a Lusa fosse ainda mais achincalhada

Fonte: Band

Com a derrota para a Desportiva, no Espírito Santo, a Portuguesa foi eliminada da Série D. Para piorar a situação do clube, o resultado significa que a Lusa não tem calendário nacional para o ano que vem – a única esperança para se garantir na quarta divisão novamente é ganhar a Taça Federação Paulista, que acontece no segundo semestre. Continue lendo

Fonte: Band

Após eliminação na Série D, torcedores protestaram no Canindé e quebraram vidros

Fonte: ESPN Brasil

A eliminação da Portuguesa na primeira fase da Série D do Campeonato Brasileiro, que pode fazer com que o clube fique até dois anos sem disputar um torneio nacional, deixou muitos torcedores rubro-verdes revoltados. Assim que a partida de domingo terminou, alguns foram até o Canindé protestar e quebraram os vidros das janelas da sala de sueca.

A reportagem teve acesso a imagens da quebradeira e confirmou com pessoas com trânsito no clube que o protesto ocorreu de fato. Ninguém se machucou.

Foto: ESPN Brasil

A sala de sueca (jogo de baralho) é um local onde constumam se reunir os conselheiros mais velhos da Portuguesa, que foram alvos do protesto do grupo de torcedores.

Quem presenciou o ato disse que o grupo era formado por membros da Leões da Fabulosa, a maior organizada da Portuguesa. Até a publicação deste texto a torcida não assumiu a autoria do ato.

Além disso, muitos membros estavam em Cariacica, onde acompanharam a derrota por 1 a 0 para a Desportiva-ES, no estádio Engenheiro Araripe.

Com os resultados do domingo, a Portuguesa terminou na lanterna da chave dela, com sete pontos. O Bangu também foi eliminado. Avançaram para a segunda fase da Série D do Brasileiro o Villa Nova-GO, líder, e o Desportiva-ES.

Como está na Série A 2 do Campeonato Paulista, a esperança da Portuguesa de voltar ao cenário nacional reside agora na Copa Paulista, que começará no final do mês de junho e dará uma vaga na Série D do ano que vem ao campeão.

A Lusa está no Grupo 3 ao lado de Taubaté, Santos B, Água Santa, Nacional, Portuguesa Santista, São Caetano e Juventus.

Fonte: ESPN Brasil

Mauro Fernandes pede planejamento para a Lusa se reerguer

Fonte: NETLUSA

O técnico Mauro Fernandes lamentou a eliminação da Portuguesa na Série D do Campeonato Brasileiro. Além disso, com a derrota para a Desportiva-ES por 1 a 0, a Lusa fica sem divisão nacional para disputar no próximo ano.

“Cheguei no clube há 20 dias e, neste período, fiquei encantado com o patrimônio que a Portuguesa tem. Um time com essa grandeza não poderia estar nessa situação. Antes do jogo, falei para os jogadores que não somos responsáveis por essa situação, mas temos a responsabilidade de tirá-la de lá. Infelizmente não conseguimos”, disse.

O treinador ainda pede que a diretoria da Lusa faça um planejamento para o clube se reerguer no futebol brasileiro.

“Torcedor é paixão pura. É o clube, a segunda pele. E ver o clube na situação que está… É difícil falar algo para ele. A diretoria da Lusa precisa parar, se reunir e fazer um planejamento, porque não teve critério de fazer uma equipe com a tradição da Portuguesa. Quando cheguei, vi um time com 10 volantes e só um lateral esquerdo. Isso é descabível para um clube das tradições da Lusa”, concluiu.

A Portuguesa volta a campo na terça-feira, 4, às 20h, quando enfrenta a Portuguesa Santista, no Canindé, pela primeira rodada da Copa Paulista. Vencer a competição é a única forma de a Lusa disputar novamente a Série D no próximo ano.

Fonte: NETLUSA

“Foram muitos erros”, lamenta Ricardo Berna após eliminação

Fonte: NETLUSA

Com a derrota para a Desportiva-ES por 1 a 0, no último domingo, a Portuguesa foi eliminada da Série D e, de quebra, ficou sem divisão nacional para disputar no próximo ano. Após o jogo, o goleiro Ricardo Berna lamentou o revés.

“O que a Portuguesa vive hoje não é responsabilidade de quem está em campo, mas assumimos essa responsabilidade. Não conseguimos trazer os resultados, mas serve de aprendizado”

O camisa 1 da Portuguesa admitiu que muitos erros aconteceram durante toda a temporada, mas elogiou os atletas mais jovens.

“Foram muitos erros. Ganhamos o último jogo por 3 a 0, teve a expectativa. Aí você volta a trabalhar e acha muito erro. Mas procuro focar no que é positivo sempre. O clube tem jovens jogadores que podem acrescentar bem ao time”, afirmou.

Por fim, Berna não confirmou se vai permanecer na Lusa para a disputa da Copa Paulista, mas ressaltou que se entregou ao máximo no tempo em que vestiu a camisa rubro-verde.

“Não sei se farei parte desse trabalho e não sei qual o futuro dos jogadores e dos dirigentes. Todos os atletas sabem das dificuldades que passamos, mas saio de cabeça erguida porque entreguei o meu melhor a cada treino e a cada jogo”, concluiu.

A Portuguesa volta a campo na terça-feira, 4, às 20h, quando enfrenta a Portuguesa Santista, no Canindé, pela primeira rodada da Copa Paulista. Vencer a competição é a única forma de a Lusa disputar novamente a Série D no próximo ano.

Fonte: NETLUSA

Eliminação na Série D faz Portuguesa afundar e ficar relegada à Copa Paulista

Fonte: Globo Esporte

O buraco em que a Portuguesa se enfiou parece não ter fundo. Com a derrota por 1 a 0 para a Desportiva Ferroviária, neste domingo, no Espírito Santo, a equipe está fora da Série D, a quarta divisão do Campeonato Brasileiro.

Com mais essa eliminação, até o fim da temporada o clube só tem como compromisso a disputa da Copa Paulista, competição que reúne pequenos do futebol do estado de São Paulo – a Lusa estreia terça-feira, às 20h, contra a Portuguesa Santista. Para voltar a disputar uma competição nacional no ano que vem, a Lusa precisará ser pelo menos vice da Copa Paulista. O campeão escolhe entre Copa do Brasil ou Série D. O vice fica com a competição que sobrar.

A parte mais tenebrosa da história da Portuguesa foi iniciada com a queda da Série A, em 2013, causada pelo Caso Hevérton, quando a escalação irregular do meia-atacante na última rodada fez o clube perder quatro pontos e fechar o campeonato na zona da degola. No ano seguinte, o time caiu da Série B para a Série C. Em 2015, a queda foi da Série A-1 para a A-2 do Paulistão (neste ano, se livrou de nova queda no estadual na última rodada). No ano passado, o rebaixamento foi o mais vexatório: da Série C para a D, a última divisão nacional.

Estar tão longe de enfrentar os principais clubes do Brasil é muito pouco para uma agremiação com a história da Lusa, vice-campeã brasileira em 1996, presente em dezenas e dezenas de temporadas na Série A, dona de três títulos paulistas e campeã da Série B de 2011.

Fonte: Globo Esporte

Mais um vexame! Portuguesa perde para o Desportiva e é um time sem divisão!

Vexame! É a palavra mais ouvida quando se fala em Portuguesa, desde 2014, ano que pela primeira vez caiu da série B para a Série C na lanterna do Campeonato, a equipe rubro-verde joga muito mal e perde pelo placar mínimo para o time da Desportiva, com os outros resultados, os dois times estão eliminados da Série D ainda na primeira fase.

Foto: Globo Esporte

No primeiro tempo, em apenas 3 minutos, o time do Desportiva realizou três finalizações e na terceira saiu o gol, Edinho, aquele que disse que a Portuguesa pagaria o pato, fez da entrada da área.

No restante do jogo o que se viu foi uma Portuguesa desorganizada, perdida em campo e com erros primários de passe e marcação. Berna salvou a Portuguesa de sofre outros dois gols ainda no primeiro tempo.

No restante a primeira etapa se resumiu em, contra-ataques agudos do Desportiva e a Lusa errando muito na frente da área e no meio campo, fora algumas boas jogadas da Desportiva no campo de defesa lusitano, com bons passes curtos e tabelas no meio da defesa da Portuguesa.

O segundo tempo foi a Portuguesa tentou ditar o ritmo de jogo, mas os jogadores da Portuguesa pareciam não estar se importando muito com o jogo, Berna era uma das raras exceções que tinham noção do valor da Partida. A Portuguesa jogava apenas pela lateral esquerda e tentava muito pelo meio e obviamente sem sucesso, a Desportiva se mantinha na defesa e com facilidade tiravam as bolas da zaga.

Em uma das raras oportunidades de gol, Marcelinho Paraíba deu bela enfiada de bola para o Fernandinho, ficando apenas ele e o goleiro cara a cara e Fernandinho chutou muito mal de esquerda facilitando a vida do Goleiro adversário.

Luizinho mostrou seu desinteresse no jogo ao ser substituído e demorar 30 segundos para sair de campo, estando a 4 metros da Linha de fundo.

No final da partida, Berna foi para a área numa tentativa suicida de empate, sem sucesso.

A Portuguesa agora deve sofrer com várias perdas de jogadores e fazer uma nova reformulação para a disputa da Copa Paulista, sua estréia é contra a Portuguesa Santista no Canindé, 04/07 às 20h00. A data original era 02/07 porém a própria Portuguesa pediu a alteração e a FPF acatou, o jogo agora é 04/07 (terça-fera) às 20h.

Antes de ‘decisão’, torcida da Lusa vai a aeroporto para apoiar elenco

Fonte: NETLUSA

A torcida da Portuguesa foi até o Aeroporto Internacional de Guarulhos, na manhã deste sábado, para prestar o último apoio aos jogadores antes da viagem para Vitória-ES. Neste domingo, a Lusa enfrenta a Desportiva-ES, em Cariacica, na última e decisiva rodada da Série D do Campeonato Brasileiro.

Cerca de 70 torcedores foram até o local, onde recepcionaram os atletas e os acompanharam até o embarque. Com muitos cânticos de apoio ao time, os jogadores foram cumprimentados pelos lusitanos e fizeram registro da festa.

A Lusa enfrenta a Desportiva-ES neste domingo, às 18h, no estádio Engenheiro Araripe, em Cariacica-ES. A equipe do Canindé precisa vencer para conquistar a classificação à segunda fase da competição.

Matéria original de NETLUSA

Fonte: NETLUSA

Guilherme Queiroz não vai jogar contra o Desportiva

Começou bem! Depois de tanto suspense, foi confirmado que o atacante Guilherme Queiroz não vai estrear pela Lusa neste Domingo (25/06) no jogo decisivo contra o Desportiva Ferroviária, a informação foi confirmada pelo apresentador Eduardo Moreno.

O jogador teve nesta semana o seu nome desvinculado da equipe do São Bento, porém a equipe rubro-verde não conseguiu que ele fosse registrado no BID à tempo para o jogo da primeira fase.

Guilherme Queiroz só vai estrear na série D se a Portuguesa conseguir a classificação para a segunda fase do campeonato, caso isso não ocorra, uma estréia só será possível na Copa Paulista, isso se o jogador continuar para este campeonato.

A Portuguesa enfrenta o Desportiva Ferroviária neste Domingo(25/06) às 18h, o jogo será transmitido pela EIMAXX do grupo Esporte Interativo.

De olho no adversário: Edinho, da Desportiva, manda recado: “Quem vai pagar o pato é a Portuguesa”

Fonte: Globo Esporte.com

Principal contratação da Desportiva Ferroviária para a Série D do Campeonato Brasileiro 2017, o meia-atacante Edinho está liberado para entrar em campo no decisivo jogo de domingo, às 18h, contra a Portuguesa, na última rodada da primeira fase.

Como está vindo do futebol do Irã, a entrada de Edinho no time ainda era incerta porque a inscrição do jogador dependia da liberação de transferência internacional da CBF. Apesar do temor inicial da liberação não acontecer, o nome do jogador foi publicado no Boletim Informativo Diário da CBF na manhã desta quinta-feira.

Feliz com a liberação, o jogador falou sobre a vontade que está de entrar em campo.

  • Quem vai pagar o pato é a Portuguesa, não quero nem saber. Eles vão ter que me parar só na pancada. Enquanto eu estiver dentro de campo, eu vou dar o meu melhor para ajudar o meu time. É um alívio muito grande (poder jogar), porque sei a importância do jogo. Eu ainda não sei quanto tempo eu vou jogar, mas enquanto eu estiver dentro do campo o torcedor vai ver muita garra – disse o meia-atacante grená.

Com a derrota para o Villa Nova-MG, a classificação para a próxima fase ficou complicada para a Desportiva. Para avançar, o time grená terá que vencer a Portuguesa no próximo domingo, às 18h, no Engenheiro Araripe, e torcer por uma série de resultados combinados, já que não pode mais ser o líder do Grupo A13.

Fonte: Globo Esporte.com