Futebol Feminino: Lusa vence mas fica só com o vice-campeonato brasileiro A2

O Campeonato Brasileiro Feminino da Série A2 teve o seu fim decretado na tarde desta quarta-feira (26). Com uma campanha irretocável, as Leoas do Canindé se consagraram vice-campeãs da competição, garantindo o acesso da Lusa na elite do futebol nacional. Continue lendo

Romarinho sai no BID e pode jogar pela Lusa

O jogador Romarinho que veio por empréstimo do Brasiliense-DF foi regularizado e já foi publicado no BID da CBF, sendo assim, o “Vice-artilheiro do brasil” em 2017 já está apto a jogar pela Copa Paulista.

Guilherme Queiroz, outro jogador do setor, realizou apenas ma partida desde que foi contratado, contra o Nacional, depois desta partida o jogador sofreu uma lesão e desde então as informações recebidas é de que se encontra no Departamento Médico.

Romarinho chega como esperança de gols ao lado de Marcelinho Paraíba, já que Guilherme Queiroz não consegue ter condições de jogo.

Futebol Feminino: Final entre Lusa x Pinheirense será exibida pela SportTV3

Fonte: Globo Esporte

A Série A2 do Brasileirão Feminino tem a sua decisão nesta quarta. No estádio da Curuzu, em Belém, o Pinheirense encara a Portuguesa às 17h (de Brasília). O time paraense venceu o jogo de ida, no Canindé, por 2 a 1 e, assim, leva a taça com um empate. O narrador Bernardo Edler e a comentarista Leda Maria transmitem o duelo ao vivo, no SporTV3.

São Paulo – SP – 19/07/2017 – BRASILEIRÃO CAIXA 2017 – ESPORTES – Jogo 61, Grupo 05 da Série A2 do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino “Brasileirão Caixa 2017” primeira partida da final entre, Associação Portuguesa de Desportos X Pinheirense E.C., realizado no estádio do Canindé em São Paulo, SP; válido pelo grupo 05 do Brasileirão Feminino 2017 A2. Foto: ROBSON FERNANDJES/ALLSPORTS

Fonte: Globo Esporte

Jogador acusa Sindicato de Atletas de erro e perde a chance de cobrar Lusa na Justiça por salários atrasados; órgão nega e rebate

Fonte: ESPN

Criado para defender os interesses dos jogadores, o Sindicato dos Atletas Profissionais de São Paulo (Sapesp) é alvo de questionamentos justamente de um jogador, que vê falha do órgão nessa missão. Yago Leite dos Santos acusa a entidade de ter errado, fazendo com que um processo de cobrança de salários atrasados contra a Portuguesa prescrevesse e fosse extinto pela Justiça.

Yago relatou ao ESPN.com.br que procurou o Sindicato em junho de 2015 e foi recebido pelo advogado Guilherme Martorelli, representante jurídico do órgão e filho do presidente da entidade, Rinaldo Martorelli. Afirmou ter acertado uma procuração com ele para cobrar a Lusa, clube que defendeu entre 2013 e 2014.

“Toda a documentação pedida foi entregue: como contrato, TRCT [Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho], carteira de trabalho… Passou 2015, entramos em 2016 e só em novembro o advogado do Sindicato me falou algo a respeito. O Sindicato demorou um ano e seis meses para entrar com uma ação na Justiça. Fui em uma audiência em fevereiro deste ano e depois da audiência veio a sentença. Foi quando soube da prescrição”, disse Yago.

Ainda segundo o jogador, o órgão não o informou da sentença final.

“O doutor Guilherme Martorelli não me falou o resultado. Ele mandou a sentença? Sim, ele mandou. Mas eu não tenho qualificações técnicas para ler um contrato desse tipo. Ele não me explicou claramente. Ninguém no Sindicato me falou que o prazo foi prescrito. Eu levei para outro advogado, que me explicou.”

Yago lamentou todo o episódio e disse à reportagem que estuda o que poderá fazer. Em abril, ele encaminhou ao órgão uma carta expondo todo seu descontentamento e cobrando ressarcimento.

“Infelizmente perdi todos os meus direitos, pois o juiz, ao decidir a causa, reconheceu a prescrição e extinguiu o processo. Tudo motivado pelo simples fato que meu processo foi colocado em juízo após os dois anos de término do contrato.”

“A causa foi dado o valor de R$ 37.626,69. Perdi todos meus direitos, 11 meses de salário, e todas as verbas contratuais por inércia do Sindicato de Atletas, e, o mínimo que esta entidade pode fazer é me ressarcir dessas perdas no montante e valor que deu a ação”, escreveu em outro trecho.

O jogador também criticou o advogado da entidade e pediu o afastamento dele.

“Peço gentilmente que essa entidade revise os atos do advogado, e afaste o Guilherme Martorelli da função de chefe do Jurídico, para que outros atletas não sejam prejudicados como eu fui”, escreveu Yago.

O OUTRO LADO

A reportagem entrou em contato com o Sindicato, que apresentou outra versão para o ocorrido, citando ainda um segundo caso em que defendeu Yago.

Em um documento de três páginas, o órgão respondeu que Yago os procurou há dois anos para buscar rever seus direitos junto a dois clubes, a Portuguesa e o Batatais, onde jogou em 2015.

Sobre o processo contra a Portuguesa, o Sindicato afirma que “o atleta não apresentou a documentação pertinente, qual seja: Contrato Especial de Trabalho Desportivo e Rescisão Contratual – Pedido de Demissão do Atleta. Por conta da ausência dos documentos pertinentes o Sindicato continuou aguardando a entrega da complementação de documentos e, nesse ínterim, manteve contato com o atleta, aguardando receber a documentação para distribuir o processo.”

“Em outubro de 2016, o atleta informou ao Sindicato que apesar das tentativas, não tinha obtido êxito em reunir a documentação necessária e solicitou ao jurídico do Sindicato que distribuísse o processo mesmo sem ter prova das suas alegações”, esclareceu em outro trecho da resposta.

A entidade alegou que conseguiu distribuir o processo em 2 de novembro de 2016, tendo como referência “o único documento pertinente ao Contrato de Trabalho do atleta que o jurídico do Sindicato tinha obtido informalmente, que, ressalte-se, é de posse exclusiva da CBF (Extrato Desportivo do Atleta) que comprovava que a rescisão contratual junto a Portuguesa tinha se encerrado em 01/12/2014 (logo, o prazo prescricional somente se encerraria em 02/12/2016).”

O órgão alega nesse momento ter se deparado com um documento com data alterada, o que prejudicou o caso.

“Porém, ao longo do processo, a Portuguesa, juntou um Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho (TRCT) diferente o fornecido pelo atleta cuja data da rescisão contratual seria 15/10/2014. No entanto, esse documento não foi validado pelo Sindicato e sequer foi assinado pelo atleta. Nesse sentido, contrariando as provas dos autos, a Justiça do Trabalho reputou o teor do TRCT juntado pela Portuguesa como válido, mesmo com todas as irregularidades aparentes ignorando por completo o documento juntado pelo Sindicato, fornecido pelo atleta, que comprovava que o processo não estaria prescrito.”

Diante da decisão da Justiça em extinguir a ação, o órgão informou à reportagem que não desistiu da causa.

“O Sindicato, mesmo discordando da postura adotada pela Justiça do Trabalho, ainda buscou alternativas para comprovar o direito do atleta, solicitando, mais uma vez, que o atleta buscasse meios para se obter a cópia da sua rescisão contratual. O atleta, agora decepcionado com o resultado, tomou a providência que deveria ter sido tomada desde o início do processo e obteve, junto a Federação Paulista de Futebol a via de sua Rescisão”.

“O processo já foi recebido pelo Tribunal Regional do Trabalho (“TRT”) e aguarda neste momento julgamento”, finalizou o Sindicato.

A entidade ainda respondeu questões encaminhadas pela reportagem, reforçando as explicações que deu acima. Isto é, nega ter cometido erro neste caso e defendeu-se alegando não ter recebido de Yago os documentos necessários para o ingresso da ação.

Em sua explicação, o Sindicato também informou que no processo contra o Batatais auxiliou Yago e ambos obtiveram vitória na Justiça

DESILUSÃO COM FUTEBOL

Yago passou pelo Batatais e pelo São José após deixar a Portuguesa, em 2014. Hoje, com 22 anos, desistiu do futebol.

“Eu fiquei desiludido por situação semelhante no que diz respeito a atraso de salário. Investidores chegam em um clube do interior de São Paulo prometendo mundos e fundos quando na verdade não tem nenhum planejamento de trabalho. Vai tudo por água abaixo tão rápido que não dá tempo nem de jogar um campeonato. Muitas vezes jogador não recebe, não se alimenta bem. Então, são situações que não quero para mim”, disse.

Natural da Bahia, Yago deixou a terra natal com 13 anos. Primeiro ficou oito meses no Icasa-CE. Depois mudou-se para São Paulo. “Vim com a ideia de ser jogador de futebol. Fiz um teste na Portuguesa e passei. Comecei em 2008, na base”.

Distante dos gramados, Yago trabalha atualmente em uma loja de roupas como fiscal e está fazendo curso técnico de segurança e medicina do trabalho.

Tão desiludido com o futebol, ele não soube responder se gostaria de ter uma nova chance de jogar.

“É difícil. Estudo, trabalho… Difícil dizer”.

Fonte: ESPN

Em julgamento no STJD, feminino é apenas multado e acesso ao Brasileiro é garantido

Fonte: Site Oficial

Em julgamento realizado na tarde desta segunda-feira (24), na sede do Supremo Tribunal de Justiça Desportiva- STJD, a equipe de futebol feminino da Lusa teve a denúncia de escalação irregular desclassificada e convertida para o artigo 191 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva e multada em R$ 1 mil.  A suposta infração foi identificada após a partida da semifinal do Campeonato Brasileiro da Série A2, contra a equipe do Tiradentes, realizada no dia 5 de julho quando houve a entrada em campo da atleta Thalita Araújo Soares. Continue lendo

Fonte: Site Oficial

Marcelinho Paraíba faz dois gols, mas Portuguesa perde para o São Caetano

Fonte: Globo Esporte

Marcelinho Paraíba, 42 anos, fez dois gols pela Portuguesa contra o São Caetano na tarde deste domingo, no Canindé, pela Copa Paulista. E foram em vão. Apesar do pé afinado do veterano, a Lusa levou a virada no fim e perdeu para o Azulão por 3 a 2.

Foi a primeira derrota da Portuguesa na competição. Apesar do resultado, a Lusa mantém a liderança do Grupo 3, com dez pontos em cinco rodadas. O São Caetano pulou para o segundo posto, com nove. Os quatro melhores avançam para a próxima fase.

O jogo

O Azulão abriu o placar com Ferreira, de cabeça, aproveitando cruzamento de escanteio de Bruno Recife aos 13 minutos. Mas, ainda no primeiro tempo, a Lusa começou a reagir. Marcelinho Paraíba, em cobrança de falta precisa, empataria aos 26.

O veterano viraria o placar na etapa final, desta vez em chute da entrada da área, aos 26. A vitória parecia encaminhada, mas o São Caetano mostrou força e reagiu aos 39, com Ermínio.

E ainda havia tempo para a virada dos visitantes. Aos 46, Ermínio sofreu pênalti e ele mesmo converteu: 3 a 2.

SP – PORTUGUESA/SÃO CAETANO – ESPORTES – Fernandinho durante a partida entre Portuguesa x São Caetano, válida pela 5ª rodada da Copa Paulista 2017 realizada no estádio do Canindé em São Paulo (SP). 23/07/2017 – Foto: JALES VALQUER/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Fonte: Globo Esporte

Luizinho renova contrato com a Portuguesa

Fonte: Site Oficial

Contratado no início do ano, o atacante Luizinho, de 21 anos, acertou sua renovação com o clube do Canindé até dezembro de 2020.

A jovem promessa tinha contrato firmado até o mês de outubro deste ano, mas a diretoria rubro-verde decidiu apostar no jogador e renovar seu contrato. Com um estilo de jogo ofensivo e com muita agilidade o atacante tem a habilidade como o seu ponto forte.

Com a camiseta da Portuguesa, Luizinho realizou 24 partidas e marcou 4 gols, o último aconteceu na vitória da Lusa contra o Juventus, pela Copa Paulista.

Fonte: Site Oficial

Lusa perde para o Pinheirense na primeira final do Feminino

Fonte: Site Oficial

No primeiro jogo da grande final do Campeonato Brasileiro Feminino da Série A2, realizado no Canindé, na noite desta quarta-feira, a Lusa não conseguiu superar a equipe do Pinheirense e saiu derrota por 2 a 1.

VEJA MAIS: Futebol feminino: Lusa é denunciada e pode ser excluída do Brasileirão.

São Paulo – SP – 19/07/2017 – BRASILEIRÃO CAIXA 2017 – ESPORTES – Jogo 61, Grupo 05 da Série A2 do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino “Brasileirão Caixa 2017” primeira partida da final entre, Associação Portuguesa de Desportos X Pinheirense E.C., realizado no estádio do Canindé em São Paulo, SP; válido pelo grupo 05 do Brasileirão Feminino 2017 A2. Foto: ROBSON FERNANDJES/ALLSPORTS

O início da partida começou bem fraco, ambas equipes apenas utilizavam o meio de campo para chegar a meta adversária, mas sem grande perigo. Apenas aos 34 minutos que a Lusa, com Day, entrou dentro da pequena área do time paraense e tocou forte para a goleira Rosany fazer uma boa defesa. Já o Pinheirense chegaria a sua primeira real chance de gol aos 43 minutos do primeiro tempo quando a atacante Irley, de fora da área, arriscou um tiro a meia altura defendido com segurança por Ellen.

Na etapa final, o jogo ficou mais quente, com as duas equipes trabalhando mais o setor ofensivo e aumentando o trabalho para as arqueiras. Logo aos 15 minutos, a volante lusa Edna arriscou de fora da área mandando a pelota para o canto esquerdo de Rosany, 1 a 0, Lusa. Sem nem ter tido tempo para comemorar, a equipe paraense descontou aos 18 minutos com a lateral-esquerda Francy que logo após uma cobrança de escanteio, após um rebote de Ellen, finalizou no canto direito da goleira lusitana.

Buscando reverter a situação e deixando a equipe paraense ter boas atuações nos contra ataques, o Pinheirense acabou sofrendo um pênalti, aos 32 minutos . Cobrado por Irley, quem tinha sofrido a falta, o General da Vila convertia seu segundo gol dando resultados finais a partida. A Lusa ainda criou mais duas boas tentativas de gols; em uma delas, já nos acréscimos Thais bateu a falta direto para o gol raspando a trave de Rosany.

O próximo jogo da final do Brasileiro Feminino Série A-2 será na próxima quarta-feira (26), em Belém do Pará, a partir das 17h.

FICHA TÉCNICA
Portuguesa 1×2 Pinheirense-PA
Local: Estádio: Canindé, em São Paulo
Árbitro: Regildenia de Holanda Moura(Fifa -SP)
Assistentes: Patrícia Carla de Oliveira e Renata Ruel Xavier de Brito(SP)
Gols: Edna, aos 15´\2T(Portuguesa); Francy, aos 18, Irley, aos 32´\2T(Pinheirense)
Cartões Amarelos: Ballo(Portuguesa); Jeane(Pinheirense)

Portuguesa
Ellen;
Thalita, Leti, Day e Ellen Cássia (Ballo); Edna, Fernanda (Du), Dany e Thais; Lú e Bia Pereira (Vitória)
Técnico:Prisco Pampubo.

Pinheirense-PA
Rosany;
Leila, Helayne, Lauze e Francy; Perotes, Cintía, Jeane e Cássia; Pingo (Milena) e Irley
Técnica: Aline Costa.

Fonte: Site Oficial