Com ajuda de patrocinadores, Lusa paga primeira parcela de acordo

Fonte: NetLusa

A Portuguesa pagou, na última terça-feira, o valor de R$ 500 mil, referente à primeira parcela do acordo com a advogada Gislaine Nunes.

O dinheiro para o pagamento foi adquirido junto aos patrocinadores e abnegados.

A partir de agora, a equipe do Canindé vai desembolsar a quantia de R$ 250 mil mensais em função do acerto. Parte desse valor será pago com a renda dos aluguéis da churrascaria e da igreja.

Como a Lusa cumpriu o acordo, a expectativa é de que as contas do clube sejam liberadas logo.

Fonte: NetLusa

Confira a lista de relacionados para a partida contra o Santos

A Portuguesa entra em campo contra o Santos nesta quarta-feira, às 15h, no Ulrico Mursa, jogo válido pela quarta rodada da Copa Paulista 2017.

Os 18 atletas convocados para a partida terão a missão de manter a invencibilidade da Lusa no campeonato, no domingo passado, a Lusa goleou o Juventus por 3 a 0.

A única novidade em relação àquela partida é a presença de Junior Lemos, o mais novo meio-campista que chega para reforçar a equipe rubro-verde na competição.

Ainda lesionados, a Lusa sofre com os desfalques de Guilherme Queiroz, Fernandinho e Dinho por problemas de ordem médica.

Confira a lista de relacionados: 

GOLEIROS: Ricardo Berna e Douglas Lima;

LATERAIS: Alex Murici, Paulo Fernando, Altemar e Franklin;

ZAGUEIROS: Gabriel Santos e Rodolfo;

VOLANTES: Jonatas Paulista e Dedé;

MEIAS: Marcelinho Paraíba, Junior Lemos e Mateus Sales;

ATACANTES: Luizinho, Bruno Duarte, Luiz Thiago, Bruno Rios;

*** Convocação sujeita a alteração

Social promove mais uma edição do Almoço Dançante

Fonte: Site Oficial

O Departamento Social da Lusa realiza, no próximo domingo (23), o Almoço Dançante. O evento começa a partir das 13h, no Salão Nobre da Portuguesa, e os convites custam R$ 70,00.

O destaque é a apresentação musical da Tocata Cá te quero. Quem comparecer a festividade poderá ainda se deliciar com um delicioso bacalhau, além de outras opções como cabrito, filé de frango e outras comidas. As bebidas não estão inclusas no convite e serão vendidas a parte.

Serviço:

  • Data: 23 de julho (domingo)
  • Horário: a partir das 13h
  • Local: Salão Nobre do Canindé
  • Convites: R$ 70,00
  • Informações: 2125-9400

Fonte: Site Oficial

Cearense largou alcoolismo pela Portuguesa e sofre com derrocada histórica

Fonte: UOL

FOTO: UOL

Tem certas coisas que só acontecem com a Portuguesa. Por exemplo, perto da bilheteria do Canindé antes de um jogo pela Copa Paulista, uma semana depois de o time ser eliminado da quarta divisão nacional, um torcedor de 77 anos grita para quem quiser ouvir:
“Aqui é Portuguesa, mano! Aqui a gente não abaixa a cabeça para ninguém!”

Seu nome é Antônio Dionísio, mas ele pede para ser chamado de Kaverna (“escreve com K”, ordena ele). Veste-se com uma camiseta rubro-verde, a palavra Barcelusa estampada no peito, uma lembrança da época não tão distante em que eles eram comparados com os gigantes da Catalunha. Conhecido por todos os que frequentam o Canindé, Kaverna é um dos dois torcedores-símbolo da Lusa.

(O outro é chamado de Sardinha, mas esse não gosta de falar com a imprensa por medo de ser sequestrado.)

Kaverna chorou quando a Portuguesa foi eliminada na Série D há uma semana. É a fase mais difícil de uma história centenária. Mas ele chorou mais ainda quando o time foi rebaixado no tapetão da Série A em 2013. Ali foi o início do calvário luso.

FOTO: UOL

“Uma quadrilha rebaixou a Portuguesa para salvar o Fluminense”, afirma Kaverna, ecoando sentimento comum entre as centenas de outros fiéis seguidores nesta noite fria (14º no termômetro, vento gelado às margens do Tietê na capital paulista).

De lá para cá, foram três rebaixamentos nacionais, uma briga entre cartolas que parece não ter fim e um mar salgado de lágrimas de Portugal. O quarto maior time da maior cidade do país agora precisa vencer a Copa Paulista para se classificar à última divisão em 2018, do contrário ficará fora do calendário.

Entre um lance e outro Kaverna conta sua história de amor ao clube da comunidade dos colonizadores. Ele não tem qualquer ligação familiar com o além-mar, já que nasceu em Fortaleza, no Ceará, e chegou a São Paulo em 1965 como milhões de outros retirantes nordestinos.

FOTO: UOL

Era, então, alcoólatra; passava os dias enchendo a cabeça de cachaça, como ele lembra. Um dia um português lhe fez uma proposta tentadora: se ele parasse de beber, lhe daria um título de sócio da Portuguesa. Kaverna topou e, orgulhoso, largou a mardita, abraçou a abstemia e um clube que também se tornou sua família na cidade grande.

“Nunca mais bebi uma gota de álcool”, ele informa. Também lembra que naquela época foi difícil romper a barreira racial dentro da comunidade portuguesa nos trópicos. “Não tinham muitos negros no clube. Os portugueses olhavam torto, falavam ‘preto isso’, ‘preto aquilo’, era foda. Hoje graças a Deus não tem mais.” Ele ganhou o apelido na época em que trabalhou como salva-vidas na antiga piscina do Canindé. Costumava pular de um alto trampolim desempenhando na queda variadas posições heterodoxas, e a molecada lá embaixo gritava “Vai Kaverna!”: Capitão Caverna era um troglodita peludo dos estúdios Hanna-Barbera que andava de cima pra baixo com um pedaço de pau nas mãos. Ele adorou.

De vez em quando puxa seu celular para mostrar as fotos daquela época, e nessas fotos é possível vê-lo de sunga, ao lado de beldades dos anos 80 com seus biquínis asa-delta e penteados-capacete. De vez em quando ele puxa a carteira pra mostrar ingressos antigos de jogos da Portuguesa, aos quais ele comparece quase religiosamente.

FOTO: UOL

Ele vive de uma pequena aposentadoria em uma casinha perto do estádio e não mora com a mulher nem com filhos (faz mistério sobre eles, que ficaram no Ceará); não tem dinheiro para colocar crédito no celular e nem para viajar atrás da Lusa Brasil afora. Mesmo assim ele viaja. O clube lhe dá ingressos, e Kaverna conhece o atual presidente dos tempos de salva-vidas do clube; a torcida organizada lhe garante uma cadeira nas caravanas, às vezes alimentação e um senso de família que faz caverna estufar a Barcelusa no peito e dizer: “Isso aqui [a Portuguesa] é tudo para mim.”

Após a Portuguesa vencer a Portuguesa Santista por 1 a 0, Kaverna volta para casa caminhando sobre a calçada do Canindé, estádio que ele conhece há mais de 40 anos, onde ele se tornou parte de uma coisa maior, onde as pessoas o cumprimentam como se ele fosse um amigo íntimo, e antes de se despedir, avisa: “Se precisar de mais alguma coisa, você sabe onde me encontrar.”

Fonte: UOL

Portuguesa é processada por seus próprios conselheiros, Estádio vai à leilão novamente

A Portuguesa tem mais problemas extra-campo para resolver, de acordo com o colunista Jorge Nícola, o estádio da Portuguesa voltará a ser leiloado dia 4 de setembro.

O motivo? Conselheiros da própria Portuguesa entraram na justiça para receber empréstimo feito no valor total de R$6 milhões.

Joaquim Justo dos Santos e Carlinhos Duque, juntamente com o Banco Luso Brasileiro S.a deram início ao processo judicial em 27/04/2015 e está no TJSP. Nas últimas movimentações, o nome do Banco Luso Brasileiro não aparece mais nos autos, apenas dos dois Conselheiros, em contra partida, são citados aleḿ do clube, Joaquim Alves Heleno (falecido este ano em junho), Tiago de Moraes Barcellos, Marcus Vinicius de Souza Ozias, Rogério Pinheirros dos Santos e Orlando Cardoso.

“Estou tentando resolver essa questão, mas não está fácil”, explica o presidente rubro-verde, Alexandre Barros para a coluna de Jorge Nícola.

Abaixo seguem links das duas últimas movimentações registradas no jusbrasil:

https://www.jusbrasil.com.br/diarios/documentos/468240139/andamento-do-processo-n-0146252-6120038260100-12-06-2017-do-tjsp?ref=topic_feed

https://www.jusbrasil.com.br/diarios/documentos/471029399/andamento-do-processo-n-0146252-6120038260100-22-06-2017-do-tjsp?ref=topic_feed

Futuro da Portuguesa será definido em audiência trabalhista no dia 12

Fonte: Globo Esporte

Portuguesa x Villa Nova-MG no Canindé (Foto: Divulgação)

O Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo marcou para o dia 12 de julho uma audiência que pode definir o futuro da Portuguesa. A advogada Gislaine Nunes, em nome de seus clientes, cobra do clube R$ 55 milhões em ações trabalhistas. E a própria Gislaine oferece uma alternativa ao clube: a cessão do Canindé para um grupo de investidores apresentado por ela.

– Se a Portuguesa não topar meus investidores, eu não vou aceitar nenhum outro acordo – disse Gislaine ao GloboEsporte.com nesta segunda-feira.

Os investidores apresentados por Gislaine são as construtoras Planova e Conexão 3. Genericamente, as empresas assumiriam a dívida trabalhista do clube e reformariam o Canindé, em troca da oportunidade de explorar as instalações e o estádio do clube.

O presidente da Portuguesa, Alexandre Barros, foi procurado pela reportagem, mas não atendeu aos telefonemas e nem respondeu às mensagens enviadas. Assim que o clube se manifestar, esta notícia será atualizada.

Dentro de campo, a Portuguesa foi eliminada da Série D do Campeonato Brasileiro, e agora prepara uma reformulação no elenco para a disputa da Copa Paulista. O veterano meia-atacante Marcelinho Paraíba, de 42 anos, foi contratado.

A Portuguesa precisa vencer a Copa Paulista para obter uma vaga na Série D de 2018. Caso fracasse, o clube ficará fora de competições nacionais no ano que vem.

MF 1 SÃO PAULO/SP – 11/04/2014 – ESTÁDIO / CANINDÉ / PORTUGUESA – ESPORTES – Estádio do Canindé ( Portuguesa ). FOTO: MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO

Fonte: Globo Esporte

Alexandre Barros fala sobre a parceria #PortuguesaRedBull

Fonte: NetLusa

Apesar das movimentações e apelos da torcida, o presidente Alexandre Barros pontuou que ainda não há uma movimentação por parte do clube em relação a uma aproximação com o Red Bull Brasil. Em declaração por telefone, o mandatário luso frisou que a ideia partiu dos adeptos e que a instituição não possui uma posição oficial a respeito do tema.

Continue lendo

Fonte: NetLusa